22/06/2009

Dança Árabe e Estilos - Qual é o seu?

Etimologicamente, Dança do Ventre é a tradução do inglês Bellydance e do árabe Raks Sharki, literalmente Dança do Leste. Tecnicamente, Dança do Ventre é composta por movimentos de ondulações (abdominais, quadril, tronco, braços e mãos) isoladas ou combinadas, batidas e tremidos de quadril, entre outros. Porém ao longo dos anos ela foi sofrendo modificações diversas (sociais, políticas, culturais), mas não perdeu seus estilos diferenciados, ou seja, as linhas de estudo, cada uma com sua característica evidenciada.
Estilo Egípcio:
Característica: É o mais reproduzido e estudado entre as brasileiras, porém vem se transformando conforme a moda reinventada nela mesma, na sua vestimenta e nos seus passos. A expressão, interpretação e sensibilidade musical são essenciais neste estilo, desenhando a música através dos movimentos corporais com muita perfeição e harmonia e apresentando como característica principal os movimentos mais contidos, concentrados, com dissociação corporal evidente tendo, portanto, um controle corporal mais refinado. Possui influência do Ballet Clássico nos seus deslocamentos em meia-ponta alta e na postura impecável.
Pontos positivos: Ela é dançada numa “rotina”, que obriga a bailarina a estudar a música e a aprimorar suas técnicas; Melhora consideravelmente a postura;
Pontos negativos: Esta moda é ditada pelas egípcias, onde com sua interpretação por vezes exageradamente caricata geram um desconforto em quem assiste no Brasil.
Minha opinião: Muitas bailarinas estudam egípcio, porém raríssimas são por completo do estilo egípcio. Brasileiras (boa parte) não tem disciplina para este estilo.
Estilo Norte-americano:
Característica: Com a influência do jazz, os deslocamentos são amplamente elaborados e o uso do véu, mãos e braços é mais explorado. Por ser mais estilizada, a movimentação do quadril é mais intensa e utiliza-se a movimentação abdominal (ondulação).
Pontos positivos: Para quem ministra aulas, é um estilo excelente didaticamente, pois faz com que iniciantes entendam o movimento como parte do seu corpo, e não contra ele.
Pontos negativos: É limitado em termos de técnicas.
Minha opinião: Todas as professoras deveriam utilizar este estilo para que suas alunas iniciantes tenham compreensão de "limpeza técnica", ou seja, ao olharmos entendemos a técnica utilizada: Ex: é um redondo, não um espiral de corpo!
Estilo Libanês:
Característica: Pouco estudado, porém de uma riqueza de passos que permite um espetáculo diferenciado, pela sua liberdade de efeitos. A interpretação musical a comunicação corporal e a sensualidade no controle do que se mostra e se esconde é sua característica, juntamente com os movimentos fortes e ousados. Os deslocamentos são simplificados, mas usam-se muitas “surpresas” nos giros, cambreés e trabalhos de chão. Este estilo não abre mão da qualidade e da soltura de seu quadril com shimies amplos e informais.
Pontos negativos: Geralmente os joelhos são flexionados em demasia e o shimie (tremido) limitado ao quadril estagnado.
Pontos positivos: É um estilo alegre que deve ser estudado na sua expressividade com o público, a forma de cativa-los e tornar sua dança interessante num todo, não somente em técnica.
Estilo Brasileiro:
Característica: Tem tendência a copiar os detalhes de cada cultura, aumentando seu repertório.
Pontos positivos: Tem se revelado ousado, comunicativo, bem humorado, rico e claro em seu repertório.
Pontos negativos: "tudo pode" e "qualquer uma pode". A falta de profissionalismo, ética, formação corporal, informação e outros, vem deste estilo.
Minha opinião: A falta de crescimento na dança árabe no brasil deve-se a este estilo. Não há estudo de estilos, não há correções posturais e técnicas das professoras, o interesse é ter "palco cheio", mesmo que seja cada uma pra um lado...
Estilo Contemporâneo:
Características: É a Dança Árabe atual, com sua fusões de diferentes estilos, modalidades e técnicas.
Pontos positivos: Busca o aprimoramento histórico, técnico e postural, sem esquecer das raízes.
Ponto negativo: se levado "nas coxas" tende a se tornar o "estilo brasileiro".
Minha opinião: este é o meu estilo, é o que eu passo no meu curso de formação, que é 80% teórico. É disso que precisamos atualmente, compreender o seu corpo e o do outro, saber as técnicas metodológicas e didáticas para desenvolver suas aulas de forma correta, sem lesões, esforços desnecessários e sem ridicularizar suas alunas em palco! É possivel fazer um excelente espetáculo com alunas com 3 meses de experiência se você for uma profissional CAPAZ de proporcionar isso. Ter noções de primeiros socorros (nunca se sabe!), saber avaliar uma coreografia e tirar proveito ela sem fazer cópia (plágio). Conhecer as funções do corpo, conhecer os movimentos (figuras, planos, eixos), saber aplicá-los nos níveis (básico, intermediário, avançado, profissional) e saber trabalhar corretamente os acessórios e danças folclóricas é a dica para ser uma excelente profissional/bailarina/professora, sem esforço.

Lise Bueno (Mahira) - 2009